Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

domingo, 26 de março de 2017

MEU NEGÓCIO É LER....leituras e encontros 2017

DATAS

Marcado sempre para sábados pela manhã e na última semana destes meses. Assim poderemos organizar previamente nossas agendas.

Data do Encontro
Horário
Local
Livro
Autor
25/03/17
9 horas a ...
A definir
Em votação
?
27/05/17
9 horas a ...
A definir
Em votação
?
29/07/17
9 horas a ...
A definir
Em votação
?
30/09/17
9 horas a ...
A definir
Em votação
?
25/11/17-SARAU
Confraternização
9 horas a ...
A definir
Em votação
?

LIVROS

Está em votação todas as leituras deste ano! Por quê? Para termos tempo hábil de providenciarmos nossos resumos, resenhas, apontamentos e obviamente os livros.
PRAZO DE VOTAÇÃO DAS LEITURAS ATÉ 20/1/2017

1ª LEITURA 25/3
LITERATURA NO RS
  • Claudia Tajes – Sangue Quente
  • Tailor Diniz – Crime na Feira do Livro
  • Tailor Diniz – Mistério no Centro Histórico
  • Luiz Antônio Assis Brasil – Manhã Transfigurada
2ª LEITURA 27/5
LITERATURA NACIONAL
  • Clarice Lispector – A hora da estrela
  • Luís Fernando Veríssimo – Comédias Brasileiras de Verão
  • Paulo Coelho – A espiã

3ª LEITURA 29/7
LITERATURA PORTUGUESA NA ÁFRICA
  • José Eduardo Agualusa – A Rainha Ginga
  • Nadine Gordimer – O melhor tempo é o presente
  • Mia Couto – A confissão da leoa
4ª LEITURA 30/9
CLÁSSICOS
  • Conan Doyle – O cão dos Baskerville
  • Goethe – Os sofrimentos do jovem Werther
  • Joseph Conrad – O coração das trevas
  • Jane Austen – Orgulho e preconceito
  • George Orwell – A revolução dos bichos

5ª LEITURA 25/11 – Sarau de Confraternização
POESIAS E POEMAS
  • Carlos Drummond de Andrade – As impurezas do Branco
  • Charles Baudelaire – As Flores do Mal
  • Gregório de Matos – Poemas
  • Florbela Espanca – Poesias Vol 1 Trocando Olhares,  O livro D'Ele - Livro das Mágoas




sábado, 14 de janeiro de 2017

A espiã



A história é uma ficção romanceada por Paulo Coelho inspirada na troca de cartas entre a dançarina Mata Hari, acusada de espionagem, e seu advogado. As cartas foram escritas às vésperas de sua execução na França durante a Primeira Guerra Mundial e liberadas ao público há 30 anos.

Retirado do site da livraria Saraiva

As impurezas do branco

Publicado pela primeira vez em 1973, 'As impurezas do branco' é um livro singular na vasta e aclamada carreira do autor mineiro. O poeta se mostra permeável ao concretismo, à poesia de tonalidade menos cultivada — estamos na década que assistiria ao aparecimento da “geração mimeógrafo” —, à espacialidade da página em branco.
Atento aos acontecimentos do seu tempo, o poeta observa, com ironia e até alguma malandragem carioca, o cotidiano do Brasil e do mundo. Grandes notícias, fait divers, o verão na Cidade Maravilhosa, papel da publicidade em nossas decisões — nada escapa ao crivo crítico e debochado do poeta mineiro.

Retirado do site da livraria Saraiva

As flores do mal

Em 1857, quando Charles Baudelaire publicou “As flores do mal”, ele e sua editora foram processados por ultraje à moral pública. O autor foi obrigado a pagar uma multa e a retirar seis poemas do livro original. Apesar desse início conturbado, o livro é considerado um marco da poesia moderna, e nele estão reunidos uma série de motivos da obra de Baudelaire: a queda, a expulsão do paraíso, o amor, a morte, o tempo, o exílio e o tédio.


Retirado do site da livraria Saraiva

Poemas de Gregório de Matos

“Poemas” reúne a variedade poética de Gregório de Matos, o Boca do Inferno. Esta compilação contém os poemas satíricos, amorosos, religiosos do poeta mais famoso do Barroco brasileiro. O resgate de sua poesia é essencial para compreendermos a concepção do fazer poético do século XVII, bem como a visão de mundo de um homem que foi além de seu tempo.

Retirado do site da livraria Saraiva

Poesias de Florbela Espanca

Florbela Espanca (1894-1930) tem sido considerada, com muita justiça, a figura feminina mais importante da literatura portuguesa em todos os tempos. Sua poesia, mais significativa que seus contos e produto de uma sensibilidade exacerbada por fortes impulsos eróticos, corresponde a um verdadeiro e ousado diário íntimo, cuja temperatura de confidência só encontra semelhança nas ´Cartas Portuguesas´ de Mariana Alcoforado. Esta coleção de dois volumes incluem todos os livros publicados por Florbela e quase a totalidade da sua obra poética.





Retirado do site da livraria Saraiva

O Cão dos Baskerville

Em 'O Cão dos Baskerville', Sherlock Holmes e o dr. Watson investigam a morte de sir Charles Baskerville, numa história eletrizante que se tornou um clássico da literatura policial.
Em meados do século XVII, um lendário cão do inferno matou Hugo Baskerville na charneca da propriedade familiar, em Dartmoor, e nunca mais parou de assombrar a família. Séculos depois, quando sir Charles Baskerville morre em circunstâncias misteriosas, seu herdeiro, sir Henry, recebe uma ameaçadora carta anônima.
Alarmado, Henry Baskerville aciona Sherlock Holmes. O detetive encarrega seu assistente, o dr. Watson, de acompanhar sir Henry enquanto se instala em segredo num povoado próximo para descobrir quem teria interesse em eliminar o último dos Baskerville e, assim, apoderar-se de sua herança. Com seus infalíveis métodos de dedução, Sherlock Holmes tenta evitar que o assassino de sir Charles faça mais uma vítima na família.

Publicado em 1902, O cão dos Baskerville é uma das aventuras mais populares de Sherlock Holmes. Esta edição ilustrada do clássico de Arthur Conan Doyle (1859-1930) traz uma versão abreviada do texto original, adaptando-o para o público infanto-juvenil. Além de informações sobre a época em que transcorre a história e sobre o autor, enriquecem a narrativa reproduções artísticas e as ilustrações de Mark Oldroyd

Retirado do site da livraria Saraiva.

Os sofrimentos do jovem Werther

A literatura alemã divide-se em antes e depois de Os sofrimentos do jovem Werther, que chega às livrarias brasileiras nesta nova e brilhante tradução de Marcelo Backes.

Ao escrever Werther, em 1774, Johann Wolfgang Goethe alcançava sua primeira obra de sucesso e, de quebra, dava início à prosa moderna na Alemanha.

Werther não é, simplesmente, um romance em cartas assim como Nova Heloísa de Rousseau ou Pamela de Richardson. Esta que é uma das mais célebres obras de Goethe é o romance de uma alma, uma história interior. Dilacerante, arrebatada é a história de uma paixão literalmente devastadora. Com enorme repercussão quando do seu lançamento, Werther foi um testemunho de como a literatura tinha poder de agir na sociedade. Não foram poucos os suicídios atribuídos ao romance.


Johann Wolfang von Goethe nasceu em Frankfurt em 1749 e morreu em Weimar em 1832. Poeta, romancista, dramaturgo, crítico, estadista, tornou-se um dos maiores vultos do pensamento alemão, tendo influenciado várias gerações. Em 1775, a convite do Duque Carlos Augusto, foi administrador de Weimar, onde destacou-se brilhantemente como financista e estadista. Deixou vasta obra, onde se destacam, entre outras, Werther, Ifigênia, Elegias romanas (poesia), Fausto, Teoria das cores, Viagem à Itália, Poesia e Verdade.




Retirado do site da livraria Saraiva

O Coração das Trevas

'O Coração das Trevas' (1902) é considerada uma de suas obras-primas. Nesta magistral novela a África é evocada por analogia com o mundo interior da pessoa; nela o autor narra o drama da destruição moral de um europeu perdido entre os selvagens do Congo.Com o nome de Apocalypse Now, em 1975 a obra foi filmada por Francis Coppola. Marlon Brando desempenhou o papel de Kurtz - o principal personagem do livro.



Autor Joseph Conrad


Retirado do site da livraria Saraiva

Orgulho e Preconceito

'Orgulho e Preconceito' apresenta o romance de Elizabeth Bennet, segunda mais velha dentre cinco filhas solteiras de uma família inglesa sem muitas posses, e Fitzwillam Darcy, um rico esnobe que a conhece em um baile e, diferente dos mocinhos clássicos, não fica imediatamente encantado por ela. A busca das jovens mulheres por um bom casamento na sociedade inglesa rural do século XIX é o mote do romance e também o principal alvo da crítica da escritora.



Autora Jane Austen








Retirado do site da livraria Saraiva

A revolução dos bichos


Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stálin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos - expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História - mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram A revolução dos bichos a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto. Depois das profundas transformações políticas que mudaram a fisionomia do planeta nas últimas décadas, a pequena obra-prima de Orwell pode ser vista sem o viés ideológico reducionista. Mais de sessenta anos depois de escrita, ela mantém o viço e o brilho de uma alegoria perene sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão dos grandes projetos de revolução política. É irônico que o escritor, para fazer esse retrato cruel da humanidade, tenha recorrido aos animais como personagens. De certo modo, a inteligência política que humaniza seus bichos é a mesma que animaliza os homens. Escrito com perfeito domínio da narrativa, atenção às minúcias e extraordinária capacidade de criação de personagens e situações, A revolução dos bichos combina de maneira feliz duas ricas tradições literárias: a das fábulas morais, que remontam a Esopo, e a da sátira política, que teve talvez em Jonathan Swift seu representante máximo.

Retirado do site da livraria Saraiva

A Rainha Ginga

Este romance histórico narra a incrível e verdadeira história de dona Ana de Souza (1583-1663). Senhora de um reino poderoso nos vastos sertões da costa ocidental da África, dizimado e reconstruído vezes seguidas, ela exerceu seu poder com inteligência e originalidade. Astuta nas negociações políticas, a Rainha Ginga estabeleceu alianças diplomáticas com os holandeses, ao mesmo tempo em que comandava os seus exércitos contra outros reis africanos, e tropas luso-brasileiras. Ardilosa, vaidosa, adotou uma coleção de esposas (na realidade homens, vestidos como mulheres) e se casou várias vezes com chefes militares que desejava como aliados políticos. O renomado escritor José Eduardo Agualusa recupera a trajetória desta poderosa rainha, compondo uma história de amor, sexo e poder.






Retirado do site da livraria Saraiva

O melhor tempo é o presente


Amantes clandestinos no passado, devido às leis raciais que proibiam relações entre negros e brancos, hoje Jabulile Gumede e Steve Reed vivem numa África do Sul democrática. Ambos foram ativistas que lutaram com todas as forças pelo fim do apartheid, e seus filhos, felizmente, já nasceram em um tempo e em um lugar de liberdade. Mas à medida que os ideais de uma vida melhor para todos são ameaçados por tensões políticas e raciais, pela ressaca das ambiguidades morais e pelo enorme abismo entre os privilegiados e a grande massa pobre que só aumenta a cada dia, o casal pensa em abandonar o país pelo qual tanto lutou. O assunto de “O Melhor Tempo É o Presente” não poderia ser mais contemporâneo, porém a escritora Nadine Gordimer o trata, como é característico em sua tremenda obra, de modo atemporal. Aqui, ela mais uma vez dá mostras da grande romancista que é, ao capturar a essência da nação sul-africana no século XXI por meio da história de um casal em conflito.


Retirado do site da livraria Saraiva

A confissão da leoa

Em 2008, quando Mia Couto participava da expedição de uma equipe de estudos ambientais ao norte de Moçambique, começaram a ocorrer na região ataques de leões a pessoas. Essa experiência inspirou o autor a escrever este romance singular. Em A confissão da leoa, uma aldeia moçambicana é alvo de ataques mortais de leões provenientes da savana. O alarme chega à capital do país e um experimentado caçador, Arcanjo Baleiro, é enviado à região. Chegando lá, porém, ele se vê emaranhado numa teia de relações complexas e enigmáticas, em que os fatos, as lendas e os mitos se misturam. Uma habitante da aldeia, Mariamar, em permanente desacordo com a família e os vizinhos, tem suas próprias teorias sobre a origem e a natureza dos ataques das feras. A irmã dela, Silência, foi a vítima mais recente.O livro é narrado alternadamente pelos dois, Arcanjo e Mariamar, sempre em primeira pessoa. Ao longo das páginas, o leitor fica sabendo que eles já tiveram um primeiro encontro muitos anos atrás, quando Mariamar era adolescente e o caçador visitou a aldeia. O confronto com as feras leva os personagens a um enfrentamento consigo mesmos, com seus fantasmas e culpas. A situação de crise põe a nu as contradições da comunidade, suas relações de poder, bem como a força, por vezes libertadora, por vezes opressiva, de suas tradições e mitos.

Retirado do site da livraria Saraiva

A hora da estrela

Entre a realidade e o delírio, buscando o social enquanto sua alma a engolfava, Clarice escreveu um livro singular. 'A Hora da Estrela' é um romance sobre o desamparo a que, apesar da linguagem, todos estamos entregues.

Autora Clarice Lispector


Retirado do site da livraria Saraiva

Comédias Brasileiras de Verão

Em Comédias Brasileiras de Verão, Luis Fernando Veríssimo coloca uma lupa sobre o dia a dia da classe média nacional, quando ela sai de férias e afloram seus desejos e obses-sões. Ao analisar as ambiguidades humanas, o gaúcho, com seu olhar bem-humorado, revela as fraquezas nossas de cada dia. O resultado é um raio X crítico, mas muito divertido, da famí-lia brasileira. Por exemplo: uma mulher se depara com um sujeito deprimido em um bar e deci-de arrastá-lo para o seu apartamento. 'Sabe que você, péssimo, fica ótimo?', diz ela. Um mari-do resolve abandonar sua esposa e casar com outra. O que o leva a tomar essa decisão não é a beleza da sua nova amada, e sim... a omelete que ela sabe preparar.


Estes são alguns dos personagens irresistíveis encontrados em Comédias Brasileiras de Verão. Tímido, o autor só parece descontraído na capa dos seus livros. Tudo que ele não fala, todas as observações que não faz em público, porém, formam a matéria dos seus textos impagáveis, que retratam existências deliciosamente banais, marcadas por paixões e ódios, vícios e extravagâncias

Autor Luís Fernando Veríssimo

Retirado do site da livraria Saraiva

Sangue Quente

Neste “Sangue Quente”, nono livro de uma muito sólida carreira, Claudia Tajes torna a mostrar o quanto há de absolutamente sério e grave nas coisas engraçadas. Revelando a leveza graciosa do drama – da raiva, melhor dito –, nossa autora demonstra um domínio extraordinário do conto, incluídas as particularidades e sutilezas que o gênero demanda. São histórias cheias de ironia finíssima, construídas com uma linguagem simples e elegante; chega a parecer que escrever é fácil. E dá-lhe a denunciar desde os fiascos causados pela variação dos hormônios ao sentimento de culpa que só um belo ataque de raiva pode proporcionar. O ridículo humano escancarado. Claro que quem conhece a Claudia sabe que, naqueles acessos de genuína modéstia que lhe são característicos, quase se desculpando por fazer os outros se divertirem, ela vai dizer que esse livro é mais um acidente de percurso do que, digamos, “literatura séria”. O modus vivendi claudiano tem disso: de achar pouca coisa joias que qualquer autor adoraria assinar, de não dar a mínima para rapapés e de olhar o mundo de uma perspectiva oblíqua e quase absurda de tão verdadeira. Ela não se leva a sério exatamente por saber onde mora o perigo.

Crime na Feira do Livro

Um crime assusta os frequentadores da Feira do Livro de Porto Alegre: um conhecido “garimpador” de livros raros é morto a tiros momentos após a abertura. De suas mãos desaparece um exemplar misterioso, trocado por outro, segundos após
o crime. Com o caso entregue a uma delegada sensual, porém suspeita, e a partir da entrada na história da integrante de uma estranha confraria sediada no Bairro Bom Fim, o detetive Walter Jacquet não vê outra alternativa e resolve investigar o assassinato. A partir dessa decisão, segue por entre cenários culturais porto-alegrenses, e se envolve com personagens reais e fictícios em busca da verdade escondida – literalmente – nas entrelinhas e ruas da cidade.



Autor Tailor Diniz

Retirado do site da livraria Saraiva

Mistério no Centro Histórico

Mistério no Centro Histórico traz de volta à cena o detetive Walter Jacquet, personagem de Crime na Feira do Livro. Agora, Jacquet, acompanhado do aspirante a escritor Joãozinho Macedônio, investiga a explosão de uma bomba no Centro Histórico de Porto Alegre. Para lidar com perigosos terroristas e autoridades confusas, a dupla adota o simples uso de raciocínios lógicos, chegando a uma reviravolta digna das melhores tramas do gênero.

Autor Tailor Diniz

Retirado do site da livraria Saraiva

MANHÃ TRANSFIGURADA

MANHÃ TRANSFIGURADA
Luiz Antonio de Assis Brasil

“Um dos mais belos romances da ficção brasileira.”
Cecília Zokner


Na tentativa de romper com o destino que lhe fora imposto, Camila se rebela num grito desesperado por sua independência como mulher. Contrariando as rígidas normas de comportamento vigentes no Rio Grande do Sul do século XVIII, ela quer ser dona de seu próprio corpo. Contada em flashback, esta tragédia anunciada de um improvável triângulo amoroso entre uma mulher recém-casada, um escrivão da igreja e um sacerdote joga com o claro-escuro entre a penumbra da vida reclusa e a luminosidade da vida permeada pela liberdade de escolhas. Luiz Antonio de Assis Brasil conduz uma trama ágil e envolvente que, a partir do drama pessoal de Camila, revela uma sociedade inescrupulosamente patriarcal e autoritária.

Retirado do site da Livraria Saraiva

Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!