Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

CROQUETES DE CARNE MOÍDA



INGREDIENTES
1 kg de carne moída
2 colheres de margarina
2 copos (americanos) de leite
2 tabletes de caldo de carne
2 dentes de alho
Azeitona a gosto
Molho de tomate a gosto
20 colheres de sopa de farinha de trigo
Farinha de rosca e leite para empanar

MODO DE FAZER
Em uma panela aqueça a margarina e doure o alho
Logo em seguida acrescente a carne moída e refogue, colocando o molho de tomate E a azeitona a gosto
Faça um refogado encorpado
Ferva os 2 copos de leite e dissolva os 2 tabletes de caldo de carne e junte à carne na panela
Em seguida despeje as 20 colheres de sopa de farinha de trigo, mexa bem até que se desprenda do fundo da panela
Espere esfriar, faça croquetes ou bolinhas, passe no leite e na farinha de rosca e frite em óleo quente

terça-feira, 26 de agosto de 2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

MASSA PRÁTICA PARA COXINHAS



INGREDIENTES
4 xícaras de trigo
4 xícaras de leite
1 caldo de galinha
1/2 colher de margarina
leite e farinha de rosca para empanar

MODO DE FAZER
Leve ao fogo o leite, a margarina e o caldo
Deixe ferver
Despeje de uma só vez o trigo e mexa bem
Depois retire da panela e coloque sobre a mesa
Sove um pouco e comece a modelar as coxinhas e rechea-las
Passe no leite e na farinha de rosca
Coloque para fritar em óleo quente, espere dourar, retire e sirva

SUGESTÃO DE RECHEIO
Cozinhar um peito de frango com osso em 1 1/2 litro de água com um cubo de caldo de galinha, um dente de alho inteiro, uma cebola pequena inteira, 1 folha de louro.
Quando estiver bem cozinho, tirar da água e retirar as lascas de carne.
Deixe esfriar e passe no processador para triturar.
Numa panela, frite em azeite uma cebola pequena, junte um tomate picado sem pele e sem sementes e uma colher de sopa de molho de tomate. Depois coloque a carne triturada, um pouco de orégano e salsinha. Desligue o fogo e imediatamente coloque uma colher cheia de requeijão e misture bem. Deixe esfriar totalmente antes de colocar dentro da massa.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

A mulher da rosa na mão.


Dizem que perto da rua Fernando Machado, bem próximo da esquina com a Borges de Medeiros, podia ser vista nas madrugadas de inverno, uma bela mulher com uma rosa vermelha nas mãos, vestindo uma roupa escura e caminhando tranquilamente pela rua.
Os moradores falavam que ela aparecia quando havia alguém muito doente e precisava de sua ajuda.
Certo dia, uma menininha, convalescida pelo sarampo, ardia em febre. Negava qualquer tipo de alimento a algum tempo. Os pais, já sem muitas esperanças, preparavam-se para levá-la ao hospital quando ouviram a campainha tocar. O pai ficou com a criança na sala. 

A mãe foi atender a porta. 
Ao abrir, viu a linda mulher com a rosa. Perguntou assustada se podia ajudá-la. Ela disse que sim. 
Foi então que a mulher pediu que a mãe rezasse com ela um Pai Nosso e uma Ave Maria. E, complementou dizendo que havia uma menina doente no apartamento. E, tinha certeza da melhora se a mãe fizesse o que pedia. 
A mãe obedecendo a mulher fez as orações. 
Ao terminar, ela entregou a rosa como um presente que deveria ser dado a menina. 
Neste momento, o pai que controlava a temperatura da menina, gritou: "Sirlei, a Nana está sem febre!" E, a menina disse: "Pai, quero comer "pirê"".
O espanto foi tanto que a mãe correu a até a porta da sala para ver. Pediu ao marido fosse no hall do apartamento para agradecer para a mulher da rosa pela oração. 
O pai, um bom cristão, chegou na porta do apartamento esbaforido, A mulher não estava mais. Então, desceu correndo do terceiro andar até a portaria do prédio, e ela também não estava lá. 
Sabiam que ela não era moradora dali.
Perguntando ao zelador se alguém havia entrado ou saído do prédio, receberam um sonoro NÃO.
Só restou aos pais agradecerem a bondade da "mulher da rosa na mão" em oração.

Assim, ficaram os vizinhos sabendo que esta mulher mais uma vez surgiu para trazer sua benção a uma pessoa adoentada.


Autora: Adriana Tavares Pimentel (Nana)

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Quem sou????

foto tirada em 0408/2014

Sou Adriana Tavares Pimentel, filha de Carlos Alberto e Sirlei. Destes dois surgi e do meio me formei "gente", ou melhor, estou a todo dia me tornando “gente”.
Muitas coisas fiz na vida que não cabem em poucas linhas, por isso vou deixar alguns links aqui, se alguém se interessar em saber mais quem sou. Mas, cabe dizer que sou igual nas diferenças a qualquer pessoa, cheia de erros, decepções, histórias, acertos, sonhos, projetos, vontades, surpresas.
Fui a primeira neta paterna e materna, fui a única filha sanguínea de meus pais. E, irmã de coração da Deia e, posteriormente de outras relações de meu pai, de Juiano, Luciano e Junior. Fui uma criança privilegiada por ter tudo que a vida pode dar materialmente a alguém. Fui uma “adolescente rebelde sem causa” e ao mesmo tempo “sofrida pela separação de meus pais”. E, na juventude adulta, conheci a dificuldade financeira, as fraquezas e desilusões. Mas, foi nessa fase que também descobri a felicidade de ser mãe e me sentir completa em amor. Tive o prazer de ver uns olhos apaixonados me pedindo colo e leite, o sorriso franco e o abraço verdadeiro.
Entrei em várias faculdades (geologia, direito, pedagogia e letras inglês), nas portas da primeira formatura em letras a fatalidade me fez desistir em prol de algo maior. Tempos depois, me formei em Tecnologia dos Processos Gerenciais e por idealismo voltando para letras me tornei professora. Agora, está ai, pós graduação para esta pessoa que vos fala. Já em idade “adulta madura”, meus 45 anos, vejo o tempo como aliado e as dores como necessárias. O sorriso como alimento e o amor como ar da vida.
Estou na Osvaldo Brochier. Orgulho-me do local de meu trabalho pela direção que vai além do administrativo competente a formação humana. Agradeço meus alunos que todos os dias fazem ser ímpar esta vivência e me fortificam com suas descobertas.
Enfim, uma brasileira que está passando pela vida com garra, luta e tentando aprender mais sobre si e os outros.

domingo, 3 de agosto de 2014

MEU DESEJO NA MORTE


Se a necessidade de me enterrar se faz, o desejo insuportável de saber que descanso em uma caixa de madeira, então, me enterre com pés descalços como aqui cheguei.
Se ainda assim, não tiveres satisfeito, não conseguires conceber a ideia de meu corpo estar sem sapatos, então, coloque em meus pés. O MAIS BELO SCARPIN. Pois, quando os visto me sinto uma verdadeira Deusa grega. Mas todavia, se queres realizar apenas o MEU ÚLTIMO DESEJO, se de meu corpo sobrou alguma coisa, faça com que minhas cinzas sejam jogadas da montanha mais alta que alcançar, para que com o auxílio do vento eu possa voar pelas terras do meu País.
Eu não estarei nas cinzas mas saberei que elas ficaram na terra que me deu a vida.




local: Rio de Janeiro                                        


Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!