Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Carta ao meu bem


Fruto da imaginação de Lucy ela diz: Vasculhando minhas gavetas encontro meu passado em uma carta de meu bem. Ele intitulou: "CARTA AO MEU BEM"

Eis a carta:
Din-don, din-don. São minhas linhas chegando a ti cheias de curiosidades pelo teu dia-a-dia e loucas para te contar tudo que vejo. Num envelope lacrado com teu nome desenhado, pelas mãos deste homem de roupas amarelas, te é entregue.
Sinto uma saudade tão forte que meu corpo teima em mostrar em minha face. Todavia, aqui estou embriagado com as belezas que meus dedos teimam em te relatar nestas linhas.
Tu não tens ideia como meus olhos se empolgam quando veem tão lindas mulheres. Mais parecem deusas que jogam seus feitiços, mas não me sinto a altura de tocá-las e acabo por me esquivar de qualquer aproximação. Assim, ando por caminhos os quais não correrei riscos de ser atingido por essa magia. E quando, meu coração e mente se unem na dor da saudade, procuro evitar qualquer aproximação de sincretismos religiosos do povo. Afinal, corro risco de acreditar na onipotência de algo superior a mim. Algo com poder de controlar meu destino e não mais, ser eu, o único detentor de meu amanhã.
Às vezes, acabo por me contradizer sobre minhas concepções quando vejo algumas situações inacreditáveis acontecerem. Torno-me menos razão e mais emoção.
A situação é tão confusa em mim que outro dia, pensei ter visto a onipotência em pessoa. Tu nem imaginas. Corri pra cumprimentá-lo pela sua grandiosidade da criação, mas tudo foi um engano e minha descrença nele voltou a se estabelecer.
Ah, tu sim, tens uma importância tão grande que meu mundo está a querer aqui, te sentir, te ver, te falar de pertinho. Meu corpo te suplica e propõe a troca de teus lindos presentes que aqui te aguardam por um só toque teu. Verás que és única quando teus pés tocarem esse solo e sentires o mundo a fazer-te honras por tua chegada.
Teu voo aterrissa que horas? Não irei a tua terra, mas porque tenho certeza que devo preparar tua chegada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!