Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

sábado, 14 de maio de 2016

Se eu fosse Cinderela...

Se eu fosse a Cinderela, de Gislaine Oliveira, é um livro de leitura leve e flui sem percebermos o tempo passando. Vale muito a pena desfrutar das páginas. A estória leva o leitor a uma análise de quem é bom ou mau no conto. Um novo olhar sob conceitos preestabelecidos. De forma divertidíssima e bem século XXI temos nas páginas uma releitura do conto de fadas da Cinderela. Tudo contado por uma menina chamada Cinddy. Ela questiona a necessidade de se ter um príncipe e a forma como isto é imposto. De repente, se vê dentro de Cinderela. A menina questiona o que é real e imaginário. Claro, não vou dizer o final, entretanto falo que é surpreendente.



Fazendo uma análise psicológica de alguns trechos do livro, digo que fez me pensar em alguns atos que já cometi. Entre estes, está à atrocidade de colocar nome “estranho” a minha filha. Problema vivido por Cinddy. Este parágrafo me trouxe momentos hilários ao imaginar a Cinddy com seus dois DD explicando aos amigos o porque de seu nome. Concomitantemente lembrando da minha filha Giovanna com dois NN fazendo o mesmo. Uma situação difícil para quem vive. Pobre das crianças com suas mães. RSRSRS. Continuei a leitura, refletindo mais uma vez nas páginas em que Cinddy fala não querer um príncipe. Fiquei pensando na minha geração, cheia de mulheres que sofreram com o “Complexo de Cinderela ou “Feminismo masculinizado”. Eu era do time das que queriam ser princesas, mas acreditava que seria ótimo ter os sapos para namorar, pois os príncipes corriam o risco de se tornarem sapos. 

Depois de mais alguns trechos veio outra reflexão. Desta vez foi referente a uma fala de Cinddy a sua mãe: “ Mãe, papai não é um príncipe”. Foi a vez de pensar em nós, mulheres, quando estamos em uma relação, julgamos o nosso ser amado como príncipe, tomando a palavra como sinônimo de perfeição. Cobramos e queremos que o ser amado torne-se o retrato de nossos anseios e conceitos. Obviamente, que na maioria das vezes inconscientemente. E assim prossegui minha leitura, ora superficialmente, ora refletindo sob conceitos e vivências. Se eu fosse Cinderela... é fantástico. Agora, se eu, Adriana, fosse Cinderela, nossa o mundo viraria do avesso. Boa leitura e curtam o livro.

Conheçam mais no blog da escritora Gislaine: http://profissao-escritor.blogspot.com.br/ 

5 comentários:

  1. Adriiiii, amei essa postagem <3 Muito obrigada pelo carinho e pela atenção que você dedicou a mim e a minha menina <3
    Fico feliz que o final tenha te surpreendido =D
    Um beijão
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi um prazer imenso. A Cinddy é uma graça e a mãe da Cinddy é um encanto.

      Excluir
  2. Nana! Curti. Beijos, Carina Luft

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu! Que bom que gostastes. Beijos

      Excluir
  3. Nana! Eu curti. Beijos. Carina Luft

    ResponderExcluir

Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!