Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

domingo, 4 de setembro de 2016

EM MAUS LENÇÓIS


    Eu tinha apenas quatorze anos quando fugi de casa pela primeira vez. Não suportando a tensão que me aniquilava, efeito das perseguições e xingamentos incessantes, tratei de escapulir. Frequentava o ginásio, mas, entre os meus colegas, considerava-me perseguido e humilhado. No meu lar não tinha liberdade para nada, vivia confinado, aguentando ameaças e descomposturas; na escola sempre preterido, por este ou aquele pretexto, rejeitado até nas atividades esportivas de que tanto gostava. Sempre o pior trajado, o uniforme sovadíssimo, de um amarelo desbotado, horrível, e os sapatos estropiados, desmanchando-se. Era tempo de guerra, havia crise. Mas eu não compreendia isso: meus colegas vestiam-se bem. O pior mesmo eram as xingações, as invectivas.
    Ela bradava com frequência:
    ___ Você anda jogando buzo com os botões da calça! Não é capaz de andar arrumado, limpo, moleque sem-vergonha!O seu fim vai ser triste, bruaco!...
    Ele corroborava, mesmo à mesa das refeições:
    ___ Você não merece o feijão que come, pedaço de asno, ignorante!...      
    Não aguentei. Meti algumas peças de roupa dentro da bolsa escolar e, ao invés de dirigir-me ao ginásio, emboquei num ônibus estacionado na rodoviária. Vazio, aguardava horário de partida e, também, os passageiros que dia a dia minguavam. Não me foi difícil, pois, passar despercebido. Encaracolado atrás do encosto do último assento, esperei ansiosa e nervosamente a partida: minha independência. Apesar de ter sido bem-sucedido naquela estratégia comum de fuga, não driblei por muito tempo o fracasso. Na madrugada imediata, enquanto eu dormia no banco de uma jardineira carunchenta, abandonada nas proximidades de um posto de gasolina, fui descoberto por um bate-pau e prontamente conduzido ao xadrez. Sem mais cerimônias, cortaram-se as asas e meteram-me na gaiola. Permaneci várias semanas ali esquecido, sem jamais ser interrogado, e sem ninguém dar-se pela presença de uma criança na cadeia pública. Tinha, aliás, por companheiro, um outro garoto, mais ou menos de minha idade, que já se achava preso há mais tempo.Também fora encontrado a sós e metido a ferros. Era necessário limpar as ruas da progressista comarca, dar segurança e tranquilidade aos seus moradores ordeiros e pacatos. Ao reclamar da situação, o carcereiro, bocejando de tédio, respondeu-me:
    ___ Quando vier o novo delegado, ele resolve...
    ___ E eu? Perguntou Giba.
    ___ Está na mesma... Dependo do delegado que vier. Às vezes vem logo, às vezes não...
    Em tal expectativa passamos tempo considerável.
                                                                                    ( Antônio Machetti )

ESTUDO DO VOCABULÁRIO
  1-  Substitua as palavras destacadas por outras com o mesmo significado, de acordo com o contexto do texto.
a- “Não suportei a tensão que me aniquilava.”
b- “Eu vivia confinado, aguentando ameaças e descomposturas.”
c- “O pior mesmo eram as xingações, as invectivas.”
d- “Os sapatos estropiados desmanchavam-se.”

2- Dê o significado das expressões em destaques.
a- “Você não merece o feijão que come”.
b- “Fui descoberto por um bate-pau e metido a ferros.”
3- Reescreva as frases, substituindo as palavras em destaque pelo sinônimo que aparece no texto.
a-“ Entrei num ônibus estacionado ...”
b- “Os passageiros dia a dia escasseavam.”
c- “Enrolado atrás do último ...”
d- “Ele confirmava, mesmo à mesa das refeições.”

COMPREENSÃO DO TEXTO
1- Quem é o narrador do texto?
2- O que ele nos conta?
3- O que a personagem central fazia antes de abandonar o lar?
4- Por que resolveu fugir?
5- Por que era perseguido e humilhado pelos colegas?
6- O que aconteceu ao rapaz, quando fugiu de casa?
7- Por que fracassou na sua tentativa de fuga?
8- Sua situação se resolveu de imediato? Por quê?
9- O garoto voltou para casa? Se voltou tentou fugir novamente? Justifique sua resposta com um trecho do texto.

10- Assinale, a fuga é consequência:
a- do fato de ele ser mal compreendido e humilhado em casa?
b- de ele não ter liberdade?
c- de ele ser um menino rebelde?

11- Quem é Giba?
12- Onde o rapaz estava e o que fazia, quando foi trancafiado na cadeia?
13- Retire do texto expressões que mostrem o tempo da narrativa.
14- “Você não merece o feijão que come, pedaço de asno, ignorante!..”. Quem dizia isso ao rapaz?
15- Explique o título do texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!