Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Pensando na Imigração Alemã e nos descendentes Gaúchos

Poesias dos alunos no concurso "Poesia em Movimento" realizado em setembro de 2014 em Montenegro.



Gaúcho-alemão


Violeta

O gaúcho-alemão gosta de churrasco.
Vive com seu cavalo com casco.
Na Alemanha, joga dado. 
No Brasil, ele joga carteado.
O gaúcho come cuca, chucrute, pão 
que a alemoa faz à mão. 
No Kerb bem-vindo seja 
com carne de porco e muita cerveja 
Ele é de Montenegro, terra de tradição 

com bergamota montenegrina e muita canção.



O alemão


Magno


Tinha um alemão
que imaginavam um imigrante bem fortão
Diziam que se um trem viesse, ele parava com a mão.
Na verdade, ele gostava de comer bolacha com batata
e ficava bem triste quando alguma caia no chão.
Um dia, o trem passava e o alemão olhava.
Sempre esperto não ficava muito perto.
Porque sabia que fortão não era.
Tinha certeza que se o trem o batesse seria fatal
perdiria a vida com um golpe mortal.
O alemão iria a final
de sua vida de um imaginador bem legal
para a terra do pé. Isso sim, era real.




O alemão e a alemã
Nina

A alemã toma chimarrão,
o gaúcho come costelão.
Ao servir o café, cuca e pão,
entre os imigrantes estava o alemão
que adora jogar um bolão.

Alemão planta batata e bergamota.
Gosta tanto disso que pra vai pra roça
a pé ou de carroça.
Mas pra pegar a bergamota

sempre tem que estar de bota.




Tradição

Snake Yes

Aqui, no Sul, temos muita tradição.
Temos cavalos, churrascos, chimarrão
e gaúcho tocando boiada com perfeição.
Montenegro tem gaúcho e alemão.
O alemão gosta de cuca, chucrute e chimia.
Seu passado foi difícil sua vó dizia.
Trabalham e vivem na roça,
para tirá-los de lá, não há quem possa.
Vão para o boteco se divertir,
para descansar, beber e também, curtir.




Trabalho no campo

Zica

O alemão acorda cedo
e vai pra roça sem medo.
Sem preocupação, ele toma seu chimarrão.
Seguindo a tradição, calça suas botas e vai cuidar da plantação.
Cavalo, o bicho bom, ajuda a tocar a boiada parada na estrada.
O dia vai acabando e para casa ele vai cansado caminhando.
A patroa está esperando
e a cerveja com moderação vai tomando.
Hoje, o dia foi puxado mas não ficou chateado.
Aqui, vivi feliz por que foi isso que sempre quis.


O fazendeiro alemão

Tom



Um fazendeiro carneou um boi
mas não sei como foi
só sei que fez uma linguiça
para mandar aos parentes na Suiça.
Ele é um alemão
e faz um bom chimarrão.
O homem foi numa roça
e colocou limão na carroça.
Ele gosta de jogar bolão lá no Cafundó,
foi o que disse a minha avó.




Alemão

Lobão

A copa do mundo foi vista com muito churrasco e chimarrão,
pena que não demos o grito de campeão.
Nas semifinais, nós perdemos de goleada,
parecia que estávamos sendo esmagados por uma boiada.
Não posso nem pensar em alemão,
porque destruíram a chance de sermos campeão.
Montenegro ficou parado,
olhando o Brasil sendo massacrado.
Quatro anos vão passar voando.
E, vamos com o Brasil gritar que o campeão está voltando!



Alemão

Alemão




O gaúcho acorda cedo, e logo faz o chimarrão,
mas o que não pode faltar é o saboroso pão.
Não pode se esquecer do alemão
que na copa bateu um bolão.
Montenegro é uma cidade muito complicada,
como torcer para o Brasil se tem muito alemão com afilharada.
Eu garanto que vi alemão batata e não era na mata.
Foi depois daquele dia que parecia boiada e ganharam de goleada.
E, foi no Cafundó,
eu disse a Aninha: Que dó! Que dó!



O alemão

Cloé

O alemão anda de trem
e depois vai além.
Ele gosta da prenda
que tá sempre na tenda.
Ela cozinha batata
e ele mata barata.
Ele bebi cerveja
e ela arruma a mesa.
Ela faz cuca
e ele a beija na nuca.


Alemão

Mano

Onde eu moro tem muito alemão.
Todo o final de semana sentam no sol pra tomar chimarrão.
Bom, há duas coisas que não pode faltar:
Gaúcho a trovar e a roda de chimarrão,
sempre com muita emoção.
Do alemão gaúcho não tem como não gostar.
Boa gente este homem que veio de longe agradar
e aqui ficou pra morar.
É aqui no Cafundó, muitos descendentes deles estão,
é só prestar a atenção.




Alemão

Xeka

Um dia um alemão me deu um tundão
porque o boi me deu um oi.
O brabo que não entendi no que ofendi.
Não sei nem o que ele usa para jogar bocha
até acho que é galocha.
Depois vi lá no Cafundó
coisa de geada que me deu dó.
Eram as bergamotas que estavam mortas.
Agora a história é outra, deixa pra lá o carrasco
porque eu quero mesmo é comer churrasco.




Minha avó

Leão

Minha avó tem 60 anos.
Ela só mexe com panos.
Um dia, um dos canos da cozinha estourou
e ela se molhou.
Morava perto do Parque Centenário
ela chamou o hidráulico, um solitário.
Ele contou que viu uma boiada
junto com um velhinho contando piada
era próximo de uma escola
no campo que os alunos jogavam bola.

O Alemão

Desenhista

O meu amigão é um Alemão.
Ele come bergamota, trabalha na roça,
e depois, vai jogar bocha.
Em casa, ferve uma linguiça com pão,
enquanto prepara o chimarrão.
Ele foi prô Caí plantar batata mas não deu,
porque tudo apodreceu.
Ele voltou de bicicleta e conheceu a prenda Felizberta.
Casou e construiu uma casa
afinal, prá que criar asa?


Texto premiado do aluno Christofer



Alemão

Alemão

O gaúcho acorda cedo, e logo faz o chimarrão,
mas o que não pode faltar é o saboroso pão.
Não pode se esquecer do alemão
que na copa bateu um bolão.
Montenegro é uma cidade muito complicada,
como torcer para o Brasil se tem muito alemão com afilharada.
Eu garanto que vi alemão batata e não era na mata.
Foi depois daquele dia que parecia boiada e ganharam de goleada.
E, foi no Cafundó,
eu disse a Aninha: Que dó! Que dó!


Texto premiado do aluno Rodrigo Schu



Os parentes

Pink 


Certo dia, parentes vieram da Alemanha
e visitaram a cabanha.
Lá em casa, jogamos um bolão.
Depois decidimos tomar um bom chimarrão.
E claro, não podia faltar o carteado
enquanto o café era preparado.
Foram conhecer Montenegro, só pra arremate
compramos chimia e erva mate.
Então, fomos a um Kerb e aproveitamos até cansar
afinal, nada melhor que dançar.


Texto premiado de Eduarda Maffacioli


Eu

Tãg

Eu fui na escola
e tomei coca cola.
Eu fui na trilha de bergamota
e fiquei de perna torta .
Eu fui no Rio Caí
e vi um peixe por ali.
Eu fui na estação
e vi um baita de um trenzão .
Eu toquei a boiada
comendo goiabada.


A filha do alemão

Kerollin

A filha do alemão não toma cerveja e gosta muito de chimarrão.
O churrasco gostoso é acompanhado de pão.
Ela joga bocha e anda de carroça.
Não tem medo de passar a noite nos trilhos
e nem de ver um andarilho.
Ela quer tomar banho na piscina
que pena da menina.
Chora por uma mentirinha
mas não era sério, falou a vizinha .
Só era uma gincana, disse a prenda Juliana.


Montenegro

Taila
Gosto da minha cidade
Porque é linda e divertida

Gosto da minha vida
da minha terra

Sou gaucha de coração
Não caio em qualquer armação

Tomo chimarrão
Como cuca e pão
E, valorizo a minha cidade do coração
com amor e dedicação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!