Miscelâneas do Eu

Expressar as ideais, registrar os pensamentos, sonhos, devaneios num pequeno e simplório blog desta escritora amadora que vos fala são as formas que encontrei para registrar a existência neste mundo.

Não cabe a mim julgar certo ou errado e sim, escrever o que sinto sobre o que me cerca.

A única coisa que não abro mão é do amor pelos seres humanos e incompreensão diante da capacidade de alguns serem cruéis com sua própria espécie.

Nana Pimentel

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Interpretação de texto


Atividade de Língua Portuguesa
Leia a seguir um conto tradicional do Japão, datado do século VIII, de autoria desconhecida. Como outros contos do estilo, ele apresenta uma história aparentemente inocente, mas com um ensinamento de vida.

Texto Espelho no cofre
De volta de uma longa peregrinação, um homem carregava sua compra mais preciosa adquirida na cidade grande: um espelho, objeto até então desconhecido para ele. Julgando reconhecer ali o rosto do pai, encantado, ele levou o espelho para sua casa. Guardou-o num cofre no primeiro andar, sem dizer nada a sua mulher. E assim, de vez em quando, quando se sentia triste e solitário, abria o cofre para ficar contemplando“o rosto do pai”. Sua mulher observou que ele tinha um aspecto diferente, um ar engraçado, toda vez que o via descer do quarto de cima. Começou a espreitá-loe descobriu que o marido abria o cofre e ficava longo tempo olhando para dentro dele. Depois que o marido saiu, um dia ela abriu o cofre, e nele, espantada, viu o rosto de uma mulher. Inflamada de ciúme, investiu contra o marido e deu-se então uma grave briga de família. O marido sustentava até o fim que era o seu pai quem estava escondido no cofre. Por sorte, passava pela casa deles uma monja. Querendo esclarecer de vez a discussão, ela pediu que lhe mostrassem o cofre. Depois de alguns minutos no primeiro andar, a monja comentou ainda lá de cima: — Ora, vocês estão brigando em vão: no cofre não há homem nem mulher, mas tão somente uma monja como eu!

ESPELHO no cofre. In: Os cem melhores contos de humor da literatura universal. Seleção e tradução de Flávio Moreira da Costa. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. p. 29-30.
O texto O espelho no cofre é um conto. Nele, a ação pode situar-se em qualquer época, mesmo no futuro. No entanto, o espaço onde se passa a história costuma ser limitado. Pode existir mais de um cenário, mas a ação principal geralmente transcorre num lugar só.
No conto, é o conflito que organiza a ação. É em torno dele, geralmente estabelecido nos primeiros parágrafos, que a ação será desenvolvida e concluída.

1. Identifique no conto alguns elementos do enredo. Para cada um, escreva uma frase com suas palavras.
a) O conflito (o problema que há no texto): __________________________________________
b) O clímax (o principal ponto que causa tensão nos personagens): ______________________
____________________________________________________________________________
c) A situação final______________________________________________________________
2. Onde está o humor do conto?
3 Em que espaço a história acontece? Como você poderia caracterizá-lo?
4. A história ocorre:
a) num espaço aberto b) num espaço fechado c) dentro do cofre
d) no texto não há elementos para responder a pergunta
05. Em que consiste o humor do conto?
a) No homem reconhecer, no espelho, o rosto do pai.
b) Na mulher ver, no espelho, o rosto de uma mulher.
c) Na monja reconhecer, no espelho, outra monja, como ela.
d) No fato de que nenhuma das personagens conhece ou sabe para que serve um espelho.
06. Indique o clímax do texto.
a) O marido sustenta que era seu pai quem estava no cofre.
b) A mulher abre o cofre e vê sua própria imagem refletida no espelho.
c) A monja vê sua imagem no espelho.
d) Ocorre uma briga entre marido e mulher.
07. O importante, no conto, é:
a) A briga entre marido e mulher, ou seja, o conflito.
b) A intervenção da monja, isto é, o desfecho.
c) A mulher ter visto sua imagem no espelho.
d) O homem ter dito à mulher que era seu pai quem estava no cofre.
08. No texto, a personagem principal:
a) É o marido. b) É a monja. c) É a mulher. d) São homem, mulher e monja.
09. A palavra espreitar, no texto, tem como sinônimo:
a) Indagar. b) Espremer. c) Vigiar. d) Olhar.
10. Em “Encantado, julgou reconhecer o rosto do pai”, percebe-se que:
a) O homem gostou de ter encontrado seu pai.
b) O homem havia comprado um espelho.
c) O homem parecia-se com o pai.
d) No espelho havia o retrato de seu pai.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Volte sempre!

Volte sempre!

Pesquisar este blog

Minha estante de livros!